Pra que serve a ideologia?

Me diga uma coisa: se você está numa mesa de cirurgia e descobre que seu médico é um radical de esquerda, isso faz diferença? Você compra pão todos os dias na padaria da esquina e descobre que o dono é ativista ultra-direitista. Vai deixar de comprar lá? 

Se a sua resposta for “sim” a qualquer das duas perguntas, você é um radical. A grande reflexão é: pra que serve a ideologia?

Desde que as disputas ideológicas emergiram no cenário mundial, lá nos primórdios do Século XX, nunca se teve tanta clareza da inutilidade destas ladainhas filosóficas quanto temos hoje. Saber se uma pessoa é socialista, comunista, capitalista, liberal ou ultra-conservadora é algo tão útil quanto saber a sua religião, cor ou orientação sexual. Sabe por quê? Porque a orientação ideológica não diz exatamente quais são os valores e as intenções daquela pessoa, apenas qual é a sua disponibilidade cultural e prática frente à sua realidade. A ideologia política de alguém é mais ou menos aquilo que essa pessoa conseguiu perceber como resposta aos problemas sociais. À medida em que vai amadurecendo vai se rendendo a outras ideias e outras ideologias, vai se completando como ser humano. 

O fato de termos partidos políticos tão frágeis ideologicamente no Brasil vem justamente da nossa fragilidade ideológica. A verdade é que sabemos tão pouco como funciona verdadeiramente a vida que discutir os caracteres de ideologia política relacionados a isso soa pouco útil. É mais ou menos como discutir Deus a nível religioso ou discutir o amor a nível poético.

Não estou dizendo que é inútil discutirmos Deus, nem o amor, tampouco a ideologia. Estou afirmando que isso é menos importante do que viver a religiosidade, o amor e a política. Discutir conceitos só é relevante a quem vive apenas no mundo da teoria. 

É muito mais útil perdermos nosso tempo buscando as soluções dos nossos problemas do que debatendo se o discurso de A ou B é de direita ou de esquerda. Sei que isso soa idiota aos radicais de ambos os lados, mas isso pouco me importa. Se ainda me fosse importante agradar a quem põe a vaidade intelectual ou o orgulho partidário a frente das atitudes, eu ainda seria um adolescente. Adolescentes é que gostam de reclamar dos outros, de fazer drama demasiadamente e a achar que o resto do mundo é que está errado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s