Abusos

Vou contar mais uma história pessoal: na minha quinta série, quando tinha dez anos, fui estudar num colégio de classe média que ficava em Porto Alegre (eu morava em Viamão). Neste colégio eu sofri bullying por quase um ano. Eu tinha um colega que devia ter uns dezesseis anos, dizia-se que estava pela terceira vez repetindo. Era o filho do dono do bar, um alemão muito maior que eu, a quem aprendi a temer até doer de medo.

Esse colega foi, digamos, o vetor dos abusos, porque depois que ele começou e eu me amedrontei, muitos outros colegas passaram a fazer algo contra mim.

Não lembro exatamente quando começou, mas provavelmente foi quando o alemão baixou meu calção em plena educação física e fiquei nu em frente a todos os colegas. Pra ajudar, fui reprimido pelo professor, que achou que eu estava de brincadeira com os outros guris.

Teve uma ocasião em que fui colocado no grupo de trabalho de duas colegas, uma negra e uma a quem já conhecia, de Viamão. Combinamos de nos encontrarmos na casa da minha colega negra. Ela me deu o endereço e, na tarde combinada, peguei o ônibus e fui ao local. Procurei, procurei… perguntei… nada. No dia seguinte eu, constrangido por me sentir burro, fui dizer pra elas que não tinha conseguido encontrar a casa e pedir desculpas por não participar do trabalho (não existia celular) e elas começaram a rir de mim, com outros colegas. Haviam me dado o endereço errado para zoar comigo.

Teve outras situações que, confesso, nem lembro direito mais. Eu odiava tanto ir pra escola que começaram a surgir em mim diversas erupções cutâneas, como furúnculos e tersóis. Até que fiz dois amigos e as coisas começaram a melhorar, isso já próximo ao final do ano.

Nunca soube o porquê disso. Desconfiei na época que era porque eu não tinha as roupas que eles tinham, mas não acho hoje que fosse exatamente isso. Hoje acredito que eu tinha uma postura muito introspectiva e isolada, que naturalmente atraía os abusadores e os que gostam de se impor.

Minha mãe teve uma ideia de gênio. Ela não sabia o que eu passava, eu não dizia. Ela intuiu que meu problema era insegurança e me incentivou a voltar às aulas de karatê duas vezes na semana. O karatê meu deu autoconfiança e me ajudou a controlar a minha agressividade. Fiz karatê até os vinte e quatro anos.

Por que trago isso? Porque há uma ideia  (em alguns) de que guris brancos de classe média estão isentos de abusos e de problemas. Há uma ideia de que tudo é problema social e uma inversão de quem são as verdadeiras vítimas. Todos somos potenciais vítimas de abusadores e, se não nos controlarmos, todos somos potenciais abusadores.

Ninguém precisa ser vítima de nada. As pessoas precisam acreditar que podem ser mais fortes do que são, porque todos podem. Todos temos de aprender que contra abusadores, criminosos, agressores o remédio é, antes de mais nada, coragem e coragem.

Uma pessoa sozinha tem certa quantidade de coragem, mas duas pessoas juntas não vão apenas dobrá-la… quiçá quadruplicá-la. Se aprendêssemos a nos unir contra os patifes que nos cercam e cada vez mais se impõe, nós certamente os suplantaríamos. Mas estamos envoltos em teses e mais teses.

Enquanto isso os abusados que aguentem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s