Por que a democracia?!

Você já se perguntou por que a democracia é um ideal ocidental extremamente cultuado?!

Sabemos que é um sistema criado pelos gregos. Dos mais notáveis filósofos gregos, Platão dizia que a democracia não era o sistema ideal. Seria, para ele, um sistema onde notáveis governassem, algo como uma tecnocracia.

Por milhares de anos o ser humano foi governado por quem atingia o poder através da força ou da herança da força. A democracia representou a primeira alternativa ao uso da força, onde a vontade da maioria deveria prevalecer. Se você tem uma maioria de jovens, a sociedade será regida pela vontade dos jovens?! Se você tem uma maioria de crentes num determinado credo, a sociedade será regida por este credo?! Bem, neste casos se entendeu que não deve ser a vontade direta da maioria que determina o que deve ou não ser implementado, mas sim uma vontade representativa, com princípios acima desta vontade. Quem dita tais princípios?! Pois bem…

Se a democracia não consegue entregar o básico que promete e aquilo que é precipuamente dever do Estado, como segurança e justiça, por que a mantemos como ideal?

Primeiro, porque ela é a primeira e única alternativa ao uso da força, como referido. Ela é a primeira alternativa de sistema de governo onde a disputa pelo poder estabeleceu regras que permitem o acesso de todos ao poder. Em tese, claro.

Segundo porque o ser humano precisa de ideais e a democracia é um ideal (como o Socialismo, como o reino de Deus, etc.). Uma sociedade sem ideais (e sem ídolos) cria ideais frágeis e eventualmente deturpados. É um desejo insconsciente por algo maior (e melhor) que a própria vontade consciente.

Terceiro, porque a democracia dá voz a quem sabe usá-la. A classe intelectual (e cultural) é ativa e poderosa no regime democrático. Essa classe forma a cultura que, em última esfera, é o que mantém a sociedade. Cultura aqui não apenas no sentido de produção de obras artísticas, mas no lato sensu.

A democracia é o melhor que já tivemos até aqui, mas com certeza está longe de ser o que promete. Veja, por exemplo, a Catalunha. Lá a maioria quer a independência, mas o poder central não autoriza. Há sempre um limite à vontade, seja no plano pessoal ou coletivo. Esse limite, por si, derruba os principais argumentos de defesa da democracia. Acontece que fora a democracia teríamos sempre regimes de imposição (não que ela não o seja) da vontade de quem?!

Toda vez que você defender a democracia lembre-se de que ela não se diferencia do que há ou houve de pior no mundo se não entregar o que promete. O sistema ideal é aquele que realiza o que propõe.

Anúncios

Michel Temer

Ontem consegui acompanhar parte da sessão da Comissão de Constituição e Justiça que decidia se o parecer do relator – que sugere não receber a segunda denúncia contra o Presidente Michel Temer – seria aprovado. Praticamente todos os partidos de esquerda envolvidos para aceitar a denúncia enquanto a base governista se compunha das maiores bancadas do Congresso e de diversos partidos menos coesos.

É evidente que Michel Temer deveria ser investigado e julgado. Ele foi vice-presidente da chapa que esteve à frente do governo com maior número de denúncias da história brasileira e, provavelmente, dos maiores casos de corrupção da história humana. Só por isso Temer já é suspeito. Se não bastasse, ele representa – por estar absolutamente inserido – o grupo mais podre da política brasileira. É pouco provável que Temer seja o líder deste grupo porque ele não desponta como líder de quase nada. Falta-lhe brio e postura para liderar. Que é um exímio articulador todos sabemos. Como articulador conseguiu participar dos governos petistas e demovê-lo e, agora, consegue manter-se no cargo presidencial. Isso não é pouco. O PT sempre foi autoritário nas suas relações institucionais com outros partidos. Temer foi habilidoso em controlar sem mandar.

Aliás, essa capacidade de articulação é o que melhor define a figura Michel Temer e todos os parasitas que lhe cercam. Como gestores públicos são grandes articuladores e pouco menos que isso.

Qualquer dona de casa administra o que for se dispor de dinheiro ilimitado. Quero dizer com isso que não se precisa de nenhum conhecimento específico para governar ou gerir se nunca lhe falta dinheiro. No Brasil, governo após governo, sempre se dispôs de dinheiro ilimitado… e as lideranças vinham se formando e se mantendo com base na divisão deste dinheiro e dos direitos (legalmente falando) que se distribuia ao redor do dinheiro. Há décadas somos o país que mais produz legislação no mundo.

Chegamos ao ponto em que dispor de direitos não dá direito a nada, pois todos temos muitos direitos. Saúde, por exemplo. É lindo enchermos a boca pra dizer que a saúde é pública no país.

Bem, Michel Temer tem seus direitos também… ele, como Presidente, pode dispor do nosso dinheiro para barganhar o apoio (político) que precisa. Ter direitos se tornou algo meio que divino, meio que angelical, mesmo que absolutamente imoral.

Por que permitimos!? Porque, em geral, todo brasileiro quer ser tratado com os mesmos direitos. Temer representa sim a postura média de um povo que não sabe eleger representantes honestos porque não se identifica com tais.

Michel Temer vai ficar até o fim do mandato e vai sustentar a laia que está consigo. Está provado que o PT não caiu por ser desonesto, mas porque sua desonestidade quebrou o país. Se tivesse a esperteza dos temerianos teria conseguido ficar décadas no poder, como o peronismo argentino. Claro que hoje a Argentina está quebrada, mas isso é outra história.

Trânsito

Em 1998 fiz um curso de extensão em direito de trânsito na UFRGS. Um dos meus professores, um PRF, disse textualmente: quando se inicia a ultrapassagem no local permitido e se termina em local proibido, está tudo regular (porque não se pode interromper a ultrapassagem, o que aumentaria o risco da manobra). Eu imediatamente levantei o braço e disse que minha primeira autuação tinha sido exatamente por isso.

Pouco depois ele disse outra: durante a ultrapassagem não se avalia o limite de velocidade (porque quanto mais rápida, mais segura é a manobra). Levantei o braço e, novamente, disse que já tinha sido autuado por isso também. Ambas autuações pela PRF.

Nisso o professor me responde: “mas tu é perigoso, né”!? E eu: “na verdade a PRF é que é mal instruída”.

O trânsito é um reflexo da sociedade. É impossível termos um trânsito seguro e educado praticado por pessoas que são displicentes e ignorantes. Isso vale, como se vê no relato verídico, para todos os operadores e usuários do sistema.

Até hoje me questiono por que as autoridades de trânsito permitem que motocicletas circulem entre veículos, desrespeitando as faixas das respectivas pistas e a distância mínima entre veículos. Presumo que seja porque, no Brasil, a lei não basta. É preciso sempre alguém que solicite/determine seja a lei cumprida. E olha que cerca de 2/3 das vítimas estão em motocicletas!

Aqui em Capão da Canoa, onde moro, o trânsito é caótico. Não pela demanda, como nas grandes cidades, mas pelo total desrespeito à sinalização e à lei. A começar porque se estaciona no bordo esquerdo da principal avenida da cidade sem que haja sinalização autorizando. Como não há autorização da sinalização, vale a lei que impede se estacione na faixa esquerda de avenidas (seria como estacionar no bordo da faixa da esquerda da Av. Ipiranga, em Porto Alegre). Vejamos que também aqui é a autoridade de trânsito que não está agindo de acordo com a lei. É possível dar certo algo se o responsável por fazer dar certo não faz o certo?!

Adoro história e geografia. Adoro física, nem tanto química. Mas muito mais importante do que aprendermos isso é aprendermos a viver nossa vida. Escolas deviam curricularmente nos ensinar sobre nossas condições de vida. Nos ensinar devidamente sobre alimentação, circulação em cidades, atitudes de respeito social e pessoal, separação de lixo, uso consciente de recursos públicos e privados, e também comportamento e cumprimento de regras de trânsito.

Perdemos mais de quarenta mil vidas todos os anos em nossas estradas. A imensa maioria resultado de irresponsabilidades, às vezes por negligência, outras por imprudência. E aí incluem-se as estatais também. Por que isso não é enfrentado?! Porque acreditamos que estamos isentos e protegidos. A dor alheia ainda não nos tocou.

O trânsito é o reflexo mais preciso de uma sociedade. Olhe para o da sua cidade e responda: você realmente acha que o problema do Brasil são apenas seus governantes?!