Digitalizar

Quando eu tinha 9 anos, morava numa vila que não tinha praça para jogarmos futebol. Jogávamos na rua, que era de areia ou saibro, cheia de pedrinhas, algumas sem coleta de esgoto. Com o tempo, algum pai de amigo mostrou que podíamos usar os terrenos desocupados para jogar bola. Bastava limpá-los e deixá-los em condições.

Naquela época a regra era clara: escureceu tem de estar em casa. Não tinha como minha mãe saber onde eu estava. Podia estar em qualquer rua num raio de quilômetros ou na casa de um amigo.

O mundo hoje é absurdamente diferente. Enlouquecidamente diferente. Maravilhosamente diferente. Perigosamente diferente.

Entro no quarto dos meus filhos e digo quase sempre: “este é o melhor quarto do mundo”. Ali tem TV, videogame, livros, globo luminoso, Netflix, teclado musical, brinquedos e por aí vai. É de um conforto maravilhoso, ainda que simples, ainda que sem luxo.

Nossas condições materiais não são melhores do que há trinta anos por acaso. A humanidade estuda mais, conhece mais, compartilha mais, busca mais, tolera mais, doa mais.

A era digital é muito mais do que software e hardware, do que APPs e perfis. Ela está criando um novo mundo.

O que mais me assusta não é ver esse novo mundo chegar… não é. O que mais me assusta é ver a quantidade de gente que ainda vive e pensa da forma do antigo mundo analógico. E pior, gente que é ainda mais devagar, mais preguiçosa, mais omissa que há trinta anos.

Digitalize sua visão de mundo, seu jeito de estudar e trabalhar, sua forma de existir e sentir. Imediatamente. Ou você não será compatível com o sistema operacional da vida muito em breve.

Anúncios

Outono

Sinto o vento entrar pelas frestas da janela e assoviar no telhado. O barulho do mar, ao longe, é intensificado e se mistura ao das folhas ao vento, que estão nas ruas porque jardineiros podaram árvores e arbustos em ramos que se chocam eventualmente com a porta da cozinha. A poda ainda deixa tocos de galhos para secar que em junho ou julho, quando o frio retornar, vão colorir a lareira de um laranja aconchegante. Pela manhã os casacos são necessários companheiros do chimarrão. Às vezes chove, mas normalmente não. Normalmente é um vento, até que o grande minuano traga o azul do céu por alguns dias ou dessas nuvens passageiras que vagueiam pelos quatro cantos do mundo em suas altitudes permanentes. O olhar naturalmente se acalma na contemplação de uma beleza acizentada que reverencia o passado, fortalece o que foi bem construído e derruba de vez o que está pra ruir… é a natureza exigindo que se faça direito o que precisa ser feito. Tempo de mudança! Da mudança que começa na introspecção reflexiva e ecoa nos sussurros que o coração leva à alma. É tão linda essa época! Tão acolhedora na sua culinária, tão exuberante nas suas vestimentas, tão exultante nos corações que compartilham seus sentimentos. Se todo o ano fosse assim, seria ótimo. Tenho pena dos que a não conhecem por viverem longe do subtrópico e a tentam sentir, quando muito, na obra de Vivaldi. É nessa época que os livros são feitos ou lidos, que as pipas são abertas – de vinho, de pinga ou de calda – e que filhos do verão são gerados. É nessa época que, ao sul do equador, o ano já se alarga e mostra a que veio, que as visitas já não visitam tanto e as aves retornam. Saúde! Que a vida seja um eterno outono.