Lockdown

Fecha tudo!

Você diarista, contente-se com R$ 600. Estamos salvando sua vida. Não seja gananciosa. Você motorista do uber, você pedreiro, você advogado, você confeiteira… casa, já! Ah, você advogado não tem direito aos R$ 600, viu!? Não seja desonesto. Deixe pra quem precisa. E não seja avarento, seu materialista insensível. Não está vendo que já morreram oitenta mil pessoas no Brasil?! Seu merda… fiquei em casa e não reclame. Grande coisa não conseguir pagar seu financiamento do automóvel, seu plano de saúde, suas prestações… é só negociar.

Fecha tudo!

Não tem como pagar o aluguel do escritório? Negocia. Use essa sua cabeça, poh. Como assim o locador só deu 50% de desconto. Que insensível. Que absurdo.

Fecha tudo!

Não, espera… deixa o produtor de leite e o posto de gasolina aberto. Ah… o mercado e a farmácia também. Precisamos muito deles. Ah, o frigorifico também. Não interessa que seja um dos locais de maior foco de contaminação… deixa aberto. É essencial. Essencial pra quem? Pra sociedade, poh… não é pra mim, não.

Ei, não mexe no meu salário. No meu não. Tenho direito constitucional de não ganhar um centavo a menos. No meu você não vai mexer. Não mexe nos meus investimentos! Sai daí.

Fecha tudo! Quase tudo!

E o técnico de internet que não chega? Como vou mandar meu trabalho pro sistema eletrônico?

Fecha tudo, menos os hospitais né. Precisamos deles. São nossos heróis. Deixa o transporte coletivo ativo só pra eles. Os motoristas e os cobradores não vão se contaminar. Nem os vigilantes, o pessoal da limpeza, nem os mecânicos. Mas só os necessários.

Fecha tudo, menos os bancos. Bancos são necessários. E todo mundo sabe que fila de banco é imune.

Fecha tudo, adia tudo. Não, essa dor aí que tu tá sentindo vai passar. Não precisa ir no hospital, até porque o foco é covid.

Fecha tudo! É simples. Até quando? Não interessa. A vacina está logo ali. Fecha e deixa de ser negacionista.

Fecha tudo. Quase tudo. Mas deixa tudo que eu tenho direito à disposição, posso precisar.