O exercício do possível

Em algumas pessoas o resultado do sofrimento é a revolta. Encontram meios de extravasar tudo de ruim que sentem por meio da insurgência, numa espécie de projeção em algo ou alguém daquilo que acreditam poderá aliviá-las, um pouco que seja.

Em algumas pessoas o resultado do sofrimento é a mudança. Ainda que inconscientemente, entendem-se responsáveis pelos acontecimentos da sua vida e, portanto, veem-se como agentes da mudança que evitará a repetição do que lhes aflige.

Em algumas pessoas o resultado do sofrimento é a incapacitação. Sentem-se fracas, incapazes de enfrentá-lo. Afundam naquele momento, numa inércia intransponível.

Na vida aparentemente perfeita (aos olhos dos outros) há muito esforço não contemplado ou ilusão. Tudo que parece fácil é superficial. Tudo que soa descabido teve seus motivos. Tudo que está funcionando foi devidamente construído, seja um relacionamento, seja um equipamento.

Pela criação tem-se ideia do criador. Pelo resultado tem-se ideia do esforço. Pela estabilidade tem-se noção da estrutura. Pela distância tem-se noção do tempo.

Não há vida sem dor, nem há dor sem vida. O pêndulo da existência, que busca a estabilidade, vagueia entre extremos e depende do antagonismo para movimentar-se. Há de compreendermos, cedo ou tarde, que viver é lidar com isso tudo e que a revolta que assim seja é, por si, o problema, longe de ser a solução.

A vida é o exercício do possível. Toda teoria é testada. Toda energia é empregada. Toda atitude produz resultados. Toda omissão será cobrada. Nunca desista de ser melhor do que ontem porque é isso que movimenta a existência e felicita o existente.

Anúncios

Não desista!

Se cada vez mais há divergências e imposições de pensamentos uniformes e encaixotados, não desista do debate.

Se cada vez mais há determinações sobre no que acreditar ou no que não acreditar, não desista da sua fé.

Se os vizinhos não se cumprimentam mais, tampouco dividem sua atenção e cordialidade, não desista da gentileza.

Se as academias desistiram do debate e do contraditório para impor a régua minúscula de uma filosofia enlatada, não desista da reflexão.

Se a família transformou-se em terreno bélico de emoções, não desista de cuidar e de cuidar-se.

Se a vida é dura – e ela é – não desista de vivê-la.

Há mais coisas que valem a pena ao nosso redor do que a desistência contempla.