A culpa é do culpado

Muitos mestres já passaram pela Terra, buscando compartilhar com seus contemporâneos ideias sobre a vida que lhes trouxessem um pouco de paz e esperança frente às grandes adversidades do seu meio e do seu tempo. O passar dos séculos transformou as lições em disputas de ego e de vaidade. Culpa dos mestres e das religiões?!

Muitos casamentos sobreviveram, em outra época, porque isso era o que se esperava. A sociedade exigia que as pessoas permanecessem casadas sob quaisquer adversidades e isso fazia com que boa parte dos casamentos infelizes se tornasse um martírio para a mulher. Culpa do casamento?!

Muitas empresas exploraram empregados até a exaustão no século XIX e XX. A inexistência de regulação fazia com que os patrões inescrupulosos exigissem dos seus empregados muito além do que lhes pagavam a título de remuneração. Culpa do empreendedorismo ou do capitalismo?!

Com o advento da Justiça do Trabalho e da legislação trabalhista protecionista, muitos empregados sem moral foram indenizados por patrões que cumpriam pactuações havidas. Muitos empregados forçavam situações que eram e são, aos olhos da “justiça” do trabalho, ilegais, mas que jamais existiram no mundo fático. Culpa da “Justiça” do Trabalho?!

A busca de melhores condições sociais, seja no trabalho, seja na sociedade, seja mesmo na família, criou um sistema ideológico que luta há séculos por igualdade, por liberdade e por inclusão. Este sistema contrário ao establishment é interessante aos que não trabalham mas querem riqueza, aos que não produzem mas querem propriedades, aos que exploram os meios sociais mas não querem ser explorados pelo sistema econômico. Culpa da esquerda e dos idealistas!?

A culpa do escravagismo não é do branco, mas do escravocrata.

A culpa da agressão às mulheres não é dos homens, mas do agressor.

A culpa da exploração não é do empresário, mas do explorador.

A culpa do fanatismo não é da religião, mas do fanático e do ilusionista.

A culpa do paternalismo não é do judiciário, mas do folgado e do demagogo.

A culpa da infelicidade não é do casamento, mas dos infelizes.

Não podemos generalizar. Não podemos atacar todas as instituições porque muitas dão errado.

A humanidade é uma irmandade de acertos e erros, de tentativas e experimentos. Não temos manual disponível e, por mais que queiramos, nós mesmos ainda vamos errar conosco e com os nossos.

O que nos diferencia são nossos valores e o que fazemos em ralação a tudo e todos, não o que pregamos, não o que reclamamos, não o que dizemos. Querer acertar é um bom começo. Corrigir erros que sempre ocorrerão é uma boa postura. A perfeição que não existe no plano racional, existe no mundo ideal e no mundo das atitudes possíveis.

Anúncios

Olhando o universo de microscópio

Quase metade da população mundial pertence a religiões que acreditam em reencarnação. No mapa das religiões, os cristãos praticamente dominam o mundo (são cerca de 2bi), seguidos por islamitas (1,3bi) e hinduístas (900mi). O ateísmo – que nem sempre é sinônimo de materialismo, como pretendem alguns espiritualistas – é de difícil quantificação, pois existem estudos que atribuem aos japoneses mais de 80mi de ateus, certamente por interpretarem a religiosidade japonesa de forma própria.

Ao contrário do que muitos imaginam, o mundo tende a ser cada vez mais religioso… não o contrário. O acesso ao estudo e à internet participam grandemente disso, mas é especialmente a reflexão mais aprofundada sobre o sentido da vida que leva as pessoas a se identificarem com uma ou outra corrente religiosa, especialmente em razão da sua cultura.

Uma pesquisa de 2007 feita por Phil Zuckerman indicou que metade dos cientistas são religiosos e 1/3 acredita em Deus. 10% se dizem ateus e 2% são cristãos.

A religiosidade serve de suporte individual para o que cada um busca nela. Há busca por consolo, por explicações, por perspectivas… há os que apenas repetem a cultura local, há os que se revoltam contra ela. A religiosidade, portanto, fala um pouco de como a pessoa enfrenta suas adversidades, como se relaciona socialmente e até como olha para si.

O que mais assusta na religiosidade é a tentativa constante de se uniformizar um pensamento religioso ou mesmo ateu. Há uma tentativa de imposição hegemônica ao pensamento mundial, seja ideológica, seja religiosa, fomentada por correntes fundamentalistas que sempre estiveram presentes na história humana, mas hoje lutam com armas mais sofisticadas de influência. O racionalismo, que tem lá seus pontos positivos, se contenta com explicações palpáveis incompletas e leva consigo boa parte da nova geração, seduzida pela ideia de que os problemas materiais (pobreza, por exemplo) se resolvem com a matéria (dinheiro, no caso). No caso do racionalismo que alimenta o fundamentalismo religioso, criam-se disputas teóricas – afinal, discutir se minha religião é melhor que a sua é meramente teórico – que acabam por afastar os debatedores da prática religiosa, numa postura antagonicamente irracional. A par disso, guerras são travadas, numa demonstração inequívoca de que os que se dizem religiosos são tudo menos isso.

Alguns parecem querer olhar o universo com microscópios. Buscam explicações sobre o todo com o seu micro-disponível e se contentam quando encontram conforto em outros que pensam igual a si. A busca por soluções é conflitante com a busca por explicações. Ao contrário do que racionalizam, sua racionalização pouco resolve e pouco explica.

Admiro os evangélicos que atuam nos presídios participando da ressocialização de presos que sistema carcerário algum consegue por si em nosso país. Admiro os espíritas que atendem doentes mentais em seus hospitais. Admiro católicos que acolhem refugiados de guerra no mundo inteiro. Admiro budistas que lecionam sobre o mundo interior e iluminação espiritual. E certamente admirarei muitos outros religiosos ou não que estão por aí exercendo práticas que não se contentam com o debate e vão ao mundo realizar.

Religiosidade é algo vazio quando não nos muda. A mudança íntima é a única reforma possível no mundo. De nada vale todo o conhecimento sem atitude. Olhar o universo de microscópio é pior que vê-lo no espelho.