A Lamborghini sem seguro

Você também deve ter visto o vídeo daquela Lamborghini Gallardo Spyder 2009 que se acidentou em Gramado/RS, no final de agosto, deixando duas pessoas feridas. O veículo pertence a uma rede de locação de veículos desta categoria, que aluga a turistas para darem pequenas voltas pela cidade. É um serviço legal, numa cidade muito legal, com carros espetaculares.

No caso desta Lamborghini a mídia avalia em R$ 750 mil o veículo. Sequer consta na tabela FIPE este modelo.

É incrível, mas os veículos disponibilizados por aquela empresa para locação não têm seguro. O fato de não constar na tabela FIPE é parte desse problema.

Seguros em geral são caros no Brasil. Um seguro novo de um Land Rover raramente vai custar menos de R$ 15 mil. Qualquer carro convencional paga acima de R$ 1.500. Isso é caro.

Quase nenhuma seguradora nacional aceita segurar uma Lamborghini que será usada por condutores indeterminados. Essa é a verdade. Entendo a empresa. Mas o empresário do ramo não pode se render ao convencional… precisa encontrar uma maneira de oferecer aos seus clientes uma proteção e principalmente precisa ele próprio se proteger, pois um único sinistro pode comprometer toda a operação. Por sorte não houveram vítimas fatais.

Esse caso espelha uma triste realidade brasileira. Somos muito pouco profissionais em incontáveis atividades, mesmo naquelas que parecem comuns e corriqueiras. Aposto com você, leitor, que boa parte da frota de veículos de transporte de passageiros no Brasil não tem seguro. Os caminhões que transportam nossas mercadorias tampouco. Porque seguro é muito caro. Porque brasileiros desrespeitam muito as normas de trânsito. Porque as seguradoras tem enormes prejuízos neste ramo. É resultado de uma cultura, de uma condição que não está nem perto de ser mudada.

Alinha-se no horizonte a ideia de que o DPVAT – seguro obrigatório de acidentes pessoais para veículos – será substituído por um novo modelo, onde o segurado (proprietário do veículo) poderá optar pela seguradora que quiser. Este modelo tende não apenas a garantir não existam mais acidentes sem cobertura, mas principalmente que os preços se tornem mais justos, porque afinal todos terão de ter seguro e, assim, você não precisará pagar no seu seguro o prêmio (custo) da culpa alheia. Ao menos não da forma como é hoje.

Demoramos tempo demais no Brasil para escolhermos caminhos compatíveis com nossas necessidades. Somos muito conservadores a mudanças estruturais e acabamos por pagar caro demais por tudo ao nosso redor, ainda que não percebamos.

Seguro não é um artigo de luxo. É um serviço indispensável que representa, nos países desenvolvidos, boa parte da poupança interna que permite financiar seu desenvolvimento.

Raios de sol clareiam nosso horizonte e, espero, iluminem nossa mente.

Anúncios