Cristo(s)

José Saramago, ateu, escreveu “O Evangelho segundo Jesus Cristo”, livro que lhe alçou ao Nobel de literatura. Nessa obra, um ateu apresenta a sua visão sobre Cristo, onde o Filho do Homem é tratado como um personagem histórico e humano, sem os adjetivos que costumeiramente lhe são atribuídos. Saramago é português e precisava ter extremo cuidado para dar a sua narrativa uma visão que pretendia “humanizar” Jesus sem desrespeitar a fé do seu povo. Conseguiu. A obra é espetacular.

Jesus não é o mesmo personagem divino para Judeus e Muçulmanos. Nestas outras religiões monoteístas, Jesus é um profeta, não o Deus vivo. Essa diferença, provavelmente, é o que faz com que cada uma das crenças se mantenha distinta.

Há um Jesus menos estudado pela maioria das pessoas, um Jesus mais místico, que teria sido casado com Maria de Magdala (Madalena) e com ela teria tido uma filha. Esse Jesus ainda é tratado como um messias e um iluminado, mas menos divino do que a visão católica. Podemos ver essa abordagem no filme (e livro) “O Código Da Vinci”, que é um romance baseado em obras místicas muito antigas e, hoje, retomadas ao debate graças aos Manuscritos do Mar Morto.

Há outro Jesus (e creio que surpreenderei alguns) que é a reencarnação de Buda e Krishna. Ele é tratado na obra “O Redentor”, de Chico Xavier.

Jesus é muito mais do que a Igreja Católica Apostólica Romana pretende e essas abordagens referidas demonstram isso. Mas nenhuma dessas abordagens o desrespeita.

Acho o ateísmo uma soberba, uma imaturidade. Contudo, jamais acharei o ateu uma pessoa menor do que o crente. Todos nós temos aspectos do nosso ser mais ou menos preparados, melhor ou pior desenvolvidos. Digo isso para, primeiro, afirmar que entendo porque alguns não creem em Deus e, segundo, porque acho que isso é aceitável (embora não seja bom). Isso não me dá o direito de debochar, nem ironizar, especialmente de forma pública quem assim pensa.

Numa época em que se brada tanto por aceitação, a melhor forma de aceitarmos o novo é reconhecermos que nem tudo é tão novo, nem tudo é tão velho. As visões de mundo e as reflexões sobre o mundo estão aí há milênios. A cultura humana não chegou até aqui por acaso. O que há de nos diferenciar não são nossas bandeiras, que nos apartam apenas por aspectos externos, mas sim nossas atitudes.

Há muitas visões de Cristo na história e, entre determinados grupos, cada uma delas é debatida e elaborada. Todas são visões de aprofundamento e, de algum maneira, veneração. Os católicos se autodenominam os detentores da verdade sobre Jesus e, para impor sua versão, já fizeram de tudo, desde as Cruzadas à Inquisição. Não o são. Mas isso não faz deles rivais dos demais. Faz deles apenas diferentes. Respeito seu ponto de vista, mas não as suas atitudes de impô-lo no passado.

O que não se compreende é a necessidade dos que não acreditam em Jesus ficarem repetitivamente buscando ofendê-lo e/ou ofender a crença dos que acreditam. É essa a “tolerância” dos nossos dias?! É isso o melhor que se consegue oferecer de oposição ao conservadorismo!?

Jesus é o maior personagem da história humana. Toda menção a ele deve ser feita considerando isso.

 

Anúncios

Os Irmãos Karamazov

Também não sei porque demorei tanto para ler Dostoiévski. Na verdade, comecei “Crime e Castigo” na faculdade, mas não terminei, não lembro porquê. Contudo, em “Os Irmãos Karamozov” a história me predeu desde o início. Não que a trama seja desde cedo envolvente, mas não é difícil presumir que, tendo três irmãos personalidades tão distintas, algo de  muito interessante haverá de acontecer… e acontece.

Como em “Dom Quixote de La Mancha”, neste livro percebe-se a profundidade das reflexões que o levam a tornar-se um clássico da literatura, atemporal e perpetuamente influenciador.

O autor russo escreveu essa obra no final do século XIX, numa Rússia que lutava contra a monarquia e estava em ebulição com grande influência do Marxismo. Na história, um pai devasso e imoral tem três filhos: o mais velho, militar e imponente; o do meio um intelectual, ateu e influenciado pelo marxismo; e o mais novo um seminarista religioso. Cada um vive diferente do outro, com seus desejos e afinidades.

A trama desenvolve o destino dessas diferentes personalidades, o que cada jeito de viver e de construir suas relações produz existencialmente. Freud comparou a obra a Hamlet e a Édipo Rei, provavelmente devido à reflexão profunda das relações entre pai e filho que o livro faz.

Impressiona como Dostoiévski fala de uma Rússia de 130 anos atrás, mas poderia estar se referindo a cada núcleo familiar da sociedade brasileira nos dias de hoje, onde há grupos que atacam os intelectuais de esquerda por serem excessivamente teóricos e materialistas, em oposição aos direitistas e aos religiosos. Quem se identifica com as reflexões sobre a influência ideológica, a necessidade de mantermos uma postura construtiva e que valoriza as virtudes que se deve buscar não pode deixar de lê-lo.

E, por favor, depois me diga o que achou.

 

Olhando o universo de microscópio

Quase metade da população mundial pertence a religiões que acreditam em reencarnação. No mapa das religiões, os cristãos praticamente dominam o mundo (são cerca de 2bi), seguidos por islamitas (1,3bi) e hinduístas (900mi). O ateísmo – que nem sempre é sinônimo de materialismo, como pretendem alguns espiritualistas – é de difícil quantificação, pois existem estudos que atribuem aos japoneses mais de 80mi de ateus, certamente por interpretarem a religiosidade japonesa de forma própria.

Ao contrário do que muitos imaginam, o mundo tende a ser cada vez mais religioso… não o contrário. O acesso ao estudo e à internet participam grandemente disso, mas é especialmente a reflexão mais aprofundada sobre o sentido da vida que leva as pessoas a se identificarem com uma ou outra corrente religiosa, especialmente em razão da sua cultura.

Uma pesquisa de 2007 feita por Phil Zuckerman indicou que metade dos cientistas são religiosos e 1/3 acredita em Deus. 10% se dizem ateus e 2% são cristãos.

A religiosidade serve de suporte individual para o que cada um busca nela. Há busca por consolo, por explicações, por perspectivas… há os que apenas repetem a cultura local, há os que se revoltam contra ela. A religiosidade, portanto, fala um pouco de como a pessoa enfrenta suas adversidades, como se relaciona socialmente e até como olha para si.

O que mais assusta na religiosidade é a tentativa constante de se uniformizar um pensamento religioso ou mesmo ateu. Há uma tentativa de imposição hegemônica ao pensamento mundial, seja ideológica, seja religiosa, fomentada por correntes fundamentalistas que sempre estiveram presentes na história humana, mas hoje lutam com armas mais sofisticadas de influência. O racionalismo, que tem lá seus pontos positivos, se contenta com explicações palpáveis incompletas e leva consigo boa parte da nova geração, seduzida pela ideia de que os problemas materiais (pobreza, por exemplo) se resolvem com a matéria (dinheiro, no caso). No caso do racionalismo que alimenta o fundamentalismo religioso, criam-se disputas teóricas – afinal, discutir se minha religião é melhor que a sua é meramente teórico – que acabam por afastar os debatedores da prática religiosa, numa postura antagonicamente irracional. A par disso, guerras são travadas, numa demonstração inequívoca de que os que se dizem religiosos são tudo menos isso.

Alguns parecem querer olhar o universo com microscópios. Buscam explicações sobre o todo com o seu micro-disponível e se contentam quando encontram conforto em outros que pensam igual a si. A busca por soluções é conflitante com a busca por explicações. Ao contrário do que racionalizam, sua racionalização pouco resolve e pouco explica.

Admiro os evangélicos que atuam nos presídios participando da ressocialização de presos que sistema carcerário algum consegue por si em nosso país. Admiro os espíritas que atendem doentes mentais em seus hospitais. Admiro católicos que acolhem refugiados de guerra no mundo inteiro. Admiro budistas que lecionam sobre o mundo interior e iluminação espiritual. E certamente admirarei muitos outros religiosos ou não que estão por aí exercendo práticas que não se contentam com o debate e vão ao mundo realizar.

Religiosidade é algo vazio quando não nos muda. A mudança íntima é a única reforma possível no mundo. De nada vale todo o conhecimento sem atitude. Olhar o universo de microscópio é pior que vê-lo no espelho.