Você sabe onde estoura uma greve?

Você sade onde estoura uma greve? A quem ela prejudica? Quem depende daquilo que deixa de funcionar?

Você sabe qual correspondência deixou de chegar, qual exame médico terá de ser adiado, qual produto faltante adiará a conclusão de um trabalho?

Você sabe como vai se distribuir o leite do tacho, a carne já abatida, o tomate já colhido?

Você sabe como a auxiliar de enfermagem vai fazer para chegar ao hospital? E como ela fará para levar sua mãe doente ao hospital?

Você sabe o que o aluno aprenderá nesse dia?

Você sabe como o dono da padaria fará para compensar o dia sem faturamento no cumprimento das suas obrigações com aluguel e tudo mais?

Você sabe se o agente que causa o dano aos manifestantes está sofrendo com a greve como toda a sociedade sofre?

Você acha que ainda vivemos no Século XIX em que não havia nenhuma outra forma de reivindicar direitos que sequer existiam?

Você acha que a maioria das pessoas pode ficar sem trabalhar sem nenhum tipo de dano nas suas vidas? O agricultor, o marceneiro, o padeiro, o açougueiro, o pedreiro, o mecânico, a diarista?

Você acha que greve resolve problemas que não são resolvidos com trabalho, estudo e negociação?

A greve é um ato terrorista contra a sociedade, contra os pequenos, contra os produtivos. Ela não atinge governos, nem megacorporações. Apenas fortalece sindicatos, movimentos partidários e as pessoas que vivem dessa cultura vitimizada.

No mundo real, esse em que manifestações são menos importantes do que efetividades, as pessoas que não trabalham perdem, sofrem, têm danos irreversíveis.

Quem luta por direitos desrespeitando os direitos alheios é infantil. É como a criança que, para pegar o brinquedo, não olha nada além da sua vontade. Eis o que é a cultura da greve: uma infantilidade terrorista contra todos nós que produzimos e dependemos uns dos outros.